Vacinação contra raiva imuniza 750 cães

Em 15 dias, 750 cães foram vacinados contra raiva. Devido a contratempos, o trabalho teve o prazo prorrogado e ocorreu de 18 de agosto a 4 de setembro. Promovida pela Secretaria Municipal da Agricultura de Colinas, a campanha imunizou animais em comunidades das zonas urbana e rural. Os tutores interessados em aplicar a vacina e que ainda não fizeram podem entrar em contato diretamente pelo telefone 3760-4000, com o setor responsável.

A raiva é um vírus, uma zoonose (doença que pode ser transmitida dos animais para o homem) quase erradicada atualmente, mas, mesmo assim, muito temida. Isso porque a taxa de mortalidade da doença, que atinge apenas mamíferos, é de quase 100%.  Os principais transmissores são os animais silvestres, como morcegos, gambás e macacos, que contaminam cachorros, gatos e humanos de forma acidental.  O contágio ocorre por meio da troca de secreções, contato sanguíneo ou mordida. Nos cachorros essa doença é conhecida como raiva canina.  A doença possui alguns tipos e fases e é considerada incurável, por isso é essencial a prevenção por meio da vacina.  Além disso, pelo fato dos cães serem, em sua maioria, animais domésticos, são os principais transmissores da doença para os humanos.  É preciso ficar atento aos sintomas para ter um diagnóstico rápido e evitar a disseminação da doença dentro de casa.

Os principais sintomas são o aparecimento repentino de uma agressividade no animal, salivação excessiva e paralisia. Além da mudança de comportamento, um cão feliz e brincalhão pode se tornar um animal quieto, recatado e cansado. Esses sintomas vão se mostrando de acordo com as fases da raiva canina. A vacinação contra a raiva canina deve ser feita a partir e apenas a partir do quarto mês de vida do filhote.  O reforço deve ser feito de um em um ano após a aplicação da primeira dose. Essa regra serve também para os gatos que podem contrair a raiva felina.

Foto: Divulgação

Portais:

                                                         webmail